Padrão TISS – O Impacto Na Saúde Suplementar Quase 20 Anos Depois Dos Seus Primeiros Passos

O que é TISS?

A Troca de Informações na Saúde Suplementar (Padrão TISS) tem como objetivo assegurar que a interoperabilidade das informações sobre solicitações de autorização, atendimento, despesas e cuidado com os pacientes sejam transmitidas de forma assertiva entre os diversos agentes de saúde, inclusive repassadas à ANS, avaliando a forma como estão atuando. 

A regulação por parte da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), iniciada em 2000, originou importantes transformações no setor privado de saúde. 

“O crescimento do mercado de saúde suplementar tornou evidentes as falhas características do setor, como a assimetria de informações entre beneficiários e operadoras de planos de saúde, seleção de riscos e rompimentos arbitrários de contratos por parte das operadoras, dentre outras, gerando a necessidade de intervenção por meio da regulação por parte do Estado para atenuá-las e corrigi-las, bem como atuar no sentido da manutenção da sustentabilidade econômica e social do setor. Para tanto, em 2000, foi criada a Agência Nacional de Saúde Suplementar”. (BRASIL, 2000)

A reação da regulação da saúde suplementar

A regulação da Saúde Suplementar, em seu início, tinha forte tendência a zelar pela eficiência econômica do setor e pela defesa dos direitos do consumidor, baseados no Código de Defesa do Consumidor. Apenas num segundo momento é que se percebeu relevante tornar este mercado responsável, de fato, pela melhora nos resultados da saúde dos beneficiários, sem desmerecer e nem abandonar as regulações econômica e a consumerista

Padrão TISS

Depois das mudanças

Se no início a pergunta que pairava era se o TISS de fato daria certo, 20 anos depois podemos dizer que sim. O padrão é sólido, as operadoras se adaptaram bem e a sua última versão, atualizada em 2021, trouxe atualizações decorrentes dos estudos de adequação do padrão à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

“Esta nova versão traz mais segurança para a troca de mensagens no setor, com olhar atento à proteção de dados e privacidade dos usuários dos serviços de saúde. Acompanha também a modernização dos processos, permitindo que prestadores e operadoras avancem nos programas de transformação digital com segurança e controles necessários para evitar desperdícios e combate às fraudes na saúde suplementar”. Bruno Pimentel

E como ficam as evoluções

A evolução segue firme e, apesar de ainda haver desafios na implementação, é muito importante para o sistema de saúde brasileiro que as empresas que atuam nesta área implementem o TISS e suas atualizações. O nível mais elevado de qualidade dos dados ocorre quando são criados de maneira consistente e fidedigna à realidade no processo que os originou.

Padrão TISS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.